Domingo, 23 de Março de 2008

Urbi et Orbi

Aproveitando a deixa fornecida pelo Pedro no Tertúlia Benfiquista, aproveitando também o período de “defeso” laboral que a Páscoa me deu (e acreditem que muito era necessário…) apetece-me escrever umas considerações acerca da actual situação benfiquista. A desportiva e não só. A opinião aqui vale o que vale. Mas num panorama actual em que muitas das pessoas que opinam (sobre o Benfica e não só) nessa característica tão portuguesa do “mal dizer”são pessoas que nem a sua vida pessoal sabem gerir, quanto mais a dos outros, porque não haveria também de dar a minha?

Vou me basear em alguns pressupostos. O conhecimento (felizmente parco) da forma de gerir da direcção benfiquista, da conversa que alguns de nós tivemos com o Rui Costa (no célebre dia do “PalhaSADa”) e pouco mais.

Por partes.

Em 1994 estive presente nos festejos do título no Estádio da Luz. O jogo foi com o Guimarães e terminou com um empate a 0. Pontificavam grandes craques nesse Benfica. João Pinto, Rui Costa, os russos, Paneira, Isaías, Schwartz (que fez a sua despedida a caminho do Arsenal) , Mozer, Veloso (para mim o último grande capitão do Benfica) e um Rui Águas em final de carreira. Outros haviam que não me agradavam muito: o Abel Xavier (constantemente assobiado jogo após jogo), Abel Silva, Simanic, Pedro Henriques e Nuno Afonso (já nessa altura as nossas escolas eram quase uma nulidade…), o Abazi (lembram-se ???) e um semi-flop brasileiro chamado Aílton.

A época foi de sofrimento, se não fosse o João Pinto em Alvalade não teríamos sido campeões, mas conseguimos. Fomos campeões. Empatámos no jogo da festa mas foi perfeito. Um título que sabia a título.

O que aconteceu após esse final de época é histórico. Entrou Artur Jorge (o Damásio já tinha chegado a meio da época anterior substituindo o Jorge de Brito) que era à altura o “Mourinho”. O melhor treinador português. Tudo o que se passou depois é algo que mudou completamente a imagem do Artur Jorge no universo benfiquista (e português…) mas nessa altura acredito que 90% dos benfiquistas devem ter aprovado as promessas do Damásio. A saída do Toni e do seu adjunto Jesualdo Ferreira não geraram grandes ondas de choque na comunidade encarnada.

Não me apetece alargar muito a conversa referente a esse período. O Benfica entrou pouco tempo depois numa crise profunda. O Artur Jorge acabou por sair. Veio o Autuori apresentando uma boa folha de serviços no Marítimo. Também falhou. Seguiram-se Manuel José, Graeme Souness, Jupp Heynckes, Mourinho, Toni, Jesualdo e Camacho (não esquecendo os serviços prestados pelo Mário Wilson). Ao Damásio seguiu-se o Vale e Azevedo e Manuel Vilarinho. Depois de uma Taça ganha ao Porto (de Mourinho) e de uma época mais uma vez longe do título, Camacho sai e chega o mestre do “catenaccio”: Trapattoni. Não acredito que tenha havido um benfiquista sequer que pulou de contente com esta chegada. Nesse Verão fui a Itália com o meu amigo e companheiro de estrada Manel Neves e bem me recorda as conversas que tivemos com os italianos acerca de Trap. A época afigurava-se negra. Com um plantel onde apenas 50% dos jogadores eram portugueses e com estrelas como Yannick, Dudic, Amoreirinha, Argel, Fyssas, Alcides, André Luiz, Paulo Almeida, Everson, Carlitos, Delibasic e Karadas (destes algum tinha lugar neste plantel ?) o Benfica conseguiu sagrar-se campeão. Parece milagre? Quase… Algo se passou no Foculporto de então que até hoje não encontra explicação. Começam a pré época com Del Neri, iniciam a época com o espanhol Fernandez e terminam com Couceiro (um flop aspirante a Mourinho). O Sporting foi igual a si próprio. A equipa do futebol bonito, do ataque, dos jogadores das camadas jovens e .. do quase. No entanto fomos para o Bessa na última jornada sem nada garantido. As últimas jornadas foram férteis em empates e algumas derrotas e podia ter sido um final negro. Não foi. Empate no Bessa e título para a Luz. Não contive as lágrimas nos últimos minutos mas já na viagem de regresso a Lisboa, com a pressão já aliviada desci um pouco a terra. Este título sabia a sorte. Não fomos campeões por sermos claramente melhores. Em 90/91 tínhamos sido os melhores. Tínhamos o melhor treinador (Eriksson), o melhor marcador (Rui Águas) e uma equipa de estrelas. Em 1994 já não foi bem assim (se não fosse aquela noite chuvosa de Alvalade…) e em 2005 devíamos ter acordado para a realidade. Não acordámos. Pensámos que este título ia ser o primeiro de uma série vitoriosa. Comprámos as ideias que o presidente Vieira e o então seu amigo Veiga nos venderam. Chegaram os kits e partiu Trapattoni. Para ir para perto da família disseram. Para Estugarda ele foi. Veio Koeman. Treinador ambicioso. Brilharetes na Champions e a primeira vitória em casa do Foculporto pós 1991. Á semelhança do César Brito foi a vez do Nuno Gomes. Mas este 2-0 não nos deu um título. Koeman também partiu. Veio o Fernando Santos. A equipa nada venceu e tirando parte da época em que o futebol era agradável também nada ficou. Veio Camacho e… E agora Chalana. Já com promessas de um italiano ou Queirós. Advogado pela BOLA e denunciado pelo Rui Santos. Estamos ao dia de hoje. O calvário continua. Ao contrário da maioria oiço com muita atenção o que diz Rui Santos, o que escreve o Freitas Lobo ou o José Marinho. De todos eles tento tirar o sumo principal de declarações por vezes mais influenciadas por passados mal resolvidos (especialmente no caso do Rui Santos) ou pela facilidade do comentário após o facto consumado, mas acabo por, na maior parte dos casos, dar razão a estes “opinion makers”. Pois muita das vezes coincide com a minha em mesas de café, no trabalho ou nas bancadas (na Luz ou em “transferta”).

O Benfica ainda não terminou o seu Calvário. Está doente. Tem adeptos doentes que, quem sabe, mordidos por alguma mosca que provoca o sono ou encantados por alguma flauta mágica continuam adormecidos, atingindo o pior grau que se pode ter num adepto: a indiferença. A indiferença aos jogos, aos resultados, ao futebol Esquecem-se do seu DEVER de adeptos e ficam por casa, escrevem, criticam, falam mas ficam por casa. Adormecidos e amorfos, engordando o seu sentimento de indiferença. Tristes portanto. Tenho essa máxima. Se não exerço o meu dever de adepto, como posso exigir que o Luís Filipe exerça o dele em campo? (ok, se calhar o exemplo não é feliz, mas um exemplo extremo é capaz de ser mais facilmente entendido).

A próxima época é já ao virar da esquina. O próximo treinador vem aí. O Estádio da Luz está cada vez mais vazio, parecendo a equipa de futebol. Vazia e perdida.

Acredito que todo o ser humano tem direito à segunda oportunidade e que o erro pode conduzir à melhoria da performance quando bem interpretado. Mas também acredito na méritocracia e que na excelência não pode haver espaço para erros continuados e pura incompetência. É essa a minha principal imagem desta direcção benfiquista. E infelizmente, o nosso último “craque” já está metido também na fogueira.

Só há uma pessoa que pode levar o Benfica ao fim do calvário e à ressurreição esperada após a Quaresma. O Adepto. O adepto anónimo e simples. Só ele pode levar o Benfica “ao colo” e só ele pode escolher o melhor rumo para este colosso. Actuais grandes equipas passaram pelo mesmo. O Manchester United, o Bayern, o Barcelona, o Real Madrid, o Milan, a Juventus, o Inter etc etc tiveram épocas negras. Todos deram a volta. Mas cuidado. Como na versão original também andam Judas por aí. E por onde menos os esperamos. É preciso ter cuidado com eles. Pois vendem-nos por pouco…

Carrega Benfica !!!!

PS: Fora da análise ficam aspectos menos claros e dourados que explicam vitórias de outrem que agudizam crises nossas. Bem sei que esse factor não é de somenos importância. Mas o que vejo hoje é que mesmo que as coisas fossem transparentes como água (e não como petróleo...como o são) não nos seria fácil vencer. Seria menos difícil é certo. Mas não fácil.

publicado por velhoestilo às 22:04
link do post | comentar | favorito
3 comentários:
De Paulo a 24 de Março de 2008 às 08:19
Excelente reflexão. É, basicamente, um resumo daquilo que eu penso também.
Realmente ser-se adepto deste Benfica actualmente é muito diferente do que era há uns tempos atrás. Já não há movimentação de "bastidores" ou manifestações de indignação no final dos jogos... os benfiquistas saem daquele estádio, após o enésimo empate esta época, como se nada fosse. Enfiam-se dentro do seu carrinho e vão a correr para a casa para não perderem o outro jogo que dá na Sporttv...
Noutros tempos, após a vergonhosa exibição de Getafe, estariam às centenas no aeroporto à espera da equipa, para dizer cara-a-cara aos jogadores aquilo que a equipa é: um bando de maus profissionais conformados com a pouca exigência que é ser-se jogador deste Benfica da actualidade.
Sem rumo, sem projecto, sem esperança. É como eu vejo esta equipa, esta direcção e esta massa adepta.
É uma tristeza enorme...


De Velho Estilo a 24 de Março de 2008 às 12:59
Os Adeptos tornaram-se “Clientes”. E agora exibem o comportamento típico de cliente. Não estão satisfeitos? Mudam de “fornecedor”… Por isso um Estádio às moscas. Sem paixão. Que apenas enche quando há uma breve centelha de esperança num bom resultado contra uma grande equipa ou para, e para mim muito mais grave, para ver jogar as estrelas dos outros: Manchester United, Liverpool, Milan, Barcelona…

Um abraço


De Diogo a 28 de Março de 2008 às 19:07
Concordo contigo. Os adeptos do Benfica estão cada vez mais conformados. Tinham duas opçoes quando acabam os jogos : Ou apoiar o Benfica e puxar pelos rapazes ou entao fazerem-se ouvir e sentir ( e nao é com assobios que lá vamos ).

Eu tenho apenas 17 anos, nao pertenço a nenhuma claque apesar de acompanhar com atençao o movimento ultra nacional, e no ultimo Benfica - Braga, jogo que acabou empatado a uma bola, eu, quando se deu o ultimo apito do arbrito e o jogo acabou, em vez de assobiar como os poucos milhares que se encontravam no estadio, começei a cantar com as claques e a apoiar os rapazes. É entao que uma besta ( do Benfica ) vem a descer as escadas com toda a velocidade na minha direcçao e a chamar-me todos os nomes do mundo por eu, incrivelmente, estar a apoiar a equipa enquanto o estadio inteiro assobiava. Se nao fosse a ajuda de alguns socios eu era ali espancado por aquela especia de "halterofilista". Agora pergunto, que culpa tenho eu de de partilhar de um amor efusivo em relaçao ao clube que já é tao raro ? Assim deixa de dar gosto ir à bola. Se adeptos como eu ja nem podem exercer o que realmente devem : APOIAR. Cumprimentos e parabens pelo blog, está muito bem conseguido. Esperamos dias melhores para o nosso Benfica.


Comentar post

.pesquisar

 

.Abril 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29


.posts recentes

. Game Over... Insert Coin....

. A ingrata final

. De Londres a Lisboa...

. Á Campeão

. Um Campeão Renovou

. Até Quando?

. É OFICIAL

. Adepto

. Enorme Minoria

. Comunicado Diabos Vermelh...

.arquivos

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

.tags

. todas as tags

.links

.mais sobre mim

blogs SAPO

.subscrever feeds