Quarta-feira, 6 de Junho de 2007

Que futuro?

No final de cada época (ou virar de página) há que ter capacidade para conseguir fazer um balanço e prognósticos (ou desejos) para um futuro que se quer minimamente risonho.

Não pretendo analisar directamente os Diabos, pois cabe esse papel a todos os que frequentam o Grupo diariamente. Diariamente na sede, nos nossos espaços, na nossa curva. Só assim se sente. Só assim se opina… No Grupo.

Quero antes analisar mais profundamente. Ou pelo menos tentar.

O movimento ultras é um fenómeno que me fascina e acompanho (e tento vivê-lo) desde o início da década de 90, quando acontece um “boom” com o aparecimento dos No Name no Benfica e o grande crescimento da Juve Leo no Sporting. Grupos que atingiram dimensões e atitude que nunca (mesmo nunca) se voltarão a repetir em Portugal. E isto porquê?

Esse conceito está morto.

O conceito de grupo único, com uma liderança de uma figura (como o exemplo do Palumella falado no artigo anterior) está completamente ultrapassado. Gerou problemas em Portugal como por toda a Europa, e cada vez mais o caminho é outro. Uma curva, vários grupos. É assim em todo o lado. Será assim em Portugal. No entanto a nossa mentalidade “pequenina” (a meu ver) é o maior obstáculo para o caminho certo, e a alternativa ao caminho certo temo que seja a morte. Pura e simples. O Benfica em meados dos anos 90 tentou essa possibilidade na Luz, tentando juntar Diabos, Raça Benfiquista e No Name na mesma bancada. Falhou. No Porto há o exemplo mais recente, com os SD e o Colectivo na mesma bancada. Falhou. E hoje em dia, com os novos Estádios do Euro e com as SAD’s e políticas de bilheteira essas oportunidades (para mim são oportunidades) não voltarão a acontecer. Um pouco por todo o lado há pequenos grupos que se assumem nos grupos maiores (ou mesmo fora deles, assumindo posturas que assumem alguma coragem, já que a política dos clubes não permite que isso aconteça) visando claramente esse caminho, esse futuro. No entanto continuarão (por conveniência alguns) sempre na sombra de grupos maiores. O conceito de Curva pura e simplesmente não existe. Não existe o cântico de “Curva” mas o cântico de grupo (há excepções, mas demasiado poucas), não existe a deslocação de Curva, não existe o respeito pela faixas, pelas diferenças. Há uma minoria que pensa assim, mas está completamente sujeita a esse papel. De minoria. Será a nova geração capaz de pensar mais assim? Mais “para a frente” sem procurar o papel de “pequeninos e remediados” ? Capaz de criar Curvas livres e activas? Sem o espartilho do poder das autoridades, das Ligas, dos Clubes, dos bilhetes, dos lugares marcados, das associações de claques, dos claqueiros? Gostava muito de (voltar) a viver esse período. Ultras e Livres. Mas cada vez mais vejo isso como uma miragem, no entanto é proibido desistir. O futuro ainda é nosso.

- Adeptos + Ultras

publicado por velhoestilo às 13:18
link | comentar | favorito

Que futuro?

No final de cada época (ou virar de página) há que ter capacidade para conseguir fazer um balanço e prognósticos (ou desejos) para um futuro que se quer minimamente risonho.

Não pretendo analisar directamente os Diabos, pois cabe esse papel a todos os que frequentam o Grupo diariamente. Diariamente na sede, nos nossos espaços, na nossa curva. Só assim se sente. Só assim se opina… No Grupo.

Quero antes analisar mais profundamente. Ou pelo menos tentar.

O movimento ultras é um fenómeno que me fascina e acompanho (e tento vivê-lo) desde o início da década de 90, quando acontece um “boom” com o aparecimento dos No Name no Benfica e o grande crescimento da Juve Leo no Sporting. Grupos que atingiram dimensões e atitude que nunca (mesmo nunca) se voltarão a repetir em Portugal. E isto porquê?

Esse conceito está morto.

O conceito de grupo único, com uma liderança de uma figura (como o exemplo do Palumella falado no artigo anterior) está completamente ultrapassado. Gerou problemas em Portugal como por toda a Europa, e cada vez mais o caminho é outro. Uma curva, vários grupos. É assim em todo o lado. Será assim em Portugal. No entanto a nossa mentalidade “pequenina” (a meu ver) é o maior obstáculo para o caminho certo, e a alternativa ao caminho certo temo que seja a morte. Pura e simples. O Benfica em meados dos anos 90 tentou essa possibilidade na Luz, tentando juntar Diabos, Raça Benfiquista e No Name na mesma bancada. Falhou. No Porto há o exemplo mais recente, com os SD e o Colectivo na mesma bancada. Falhou. E hoje em dia, com os novos Estádios do Euro e com as SAD’s e políticas de bilheteira essas oportunidades (para mim são oportunidades) não voltarão a acontecer. Um pouco por todo o lado há pequenos grupos que se assumem nos grupos maiores (ou mesmo fora deles, assumindo posturas que assumem alguma coragem, já que a política dos clubes não permite que isso aconteça) visando claramente esse caminho, esse futuro. No entanto continuarão (por conveniência alguns) sempre na sombra de grupos maiores. O conceito de Curva pura e simplesmente não existe. Não existe o cântico de “Curva” mas o cântico de grupo (há excepções, mas demasiado poucas), não existe a deslocação de Curva, não existe o respeito pela faixas, pelas diferenças. Há uma minoria que pensa assim, mas está completamente sujeita a esse papel. De minoria. Será a nova geração capaz de pensar mais assim? Mais “para a frente” sem procurar o papel de “pequeninos e remediados” ? Capaz de criar Curvas livres e activas? Sem o espartilho do poder das autoridades, das Ligas, dos Clubes, dos bilhetes, dos lugares marcados, das associações de claques, dos claqueiros? Gostava muito de (voltar) a viver esse período. Ultras e Livres. Mas cada vez mais vejo isso como uma miragem, no entanto é proibido desistir. O futuro ainda é nosso.

- Adeptos + Ultras

publicado por velhoestilo às 13:18
link | comentar | favorito

.pesquisar

 

.Abril 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29


.posts recentes

. Game Over... Insert Coin....

. A ingrata final

. De Londres a Lisboa...

. Á Campeão

. Um Campeão Renovou

. Até Quando?

. É OFICIAL

. Adepto

. Enorme Minoria

. Comunicado Diabos Vermelh...

.arquivos

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

.tags

. todas as tags

.links

.mais sobre mim

blogs SAPO

.subscrever feeds